O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

6° Missa por uma sociedade sem escravos e excluídos

A Família Oblata apresentou ao altar marcas que representavam a dor e sofrimento de tantas mulheres em situação de prostituição.

As Irmãs Oblatas na Argentina participaram da organização da 6° Missa pelas vitimas de Tráfico e Trabalho Escravo, que por 5 anos consecutivos celebrou o atual Papa Francisco e que este ano foi feita pelo novo Arcebispo da cidade de Buenos Aires, Monsenhor Mario Poli.

A celebração na sexta-feira, dia 15/11, na Praça Constituição, um dos maiores bairros portenhos de maior índice de prostituição, drogas e todo tipo de exclusão.

As irmãs Oblatas, junto aos movimentos, de Curas Villeros, a Direção Arquidiocesana de Migrações, a igreja local, a fundação “La Almeda” e o Movimento de Trabalhadores Excluídos convocaram para o espaço de oração “POR UMA SOCIEDADE SEM ESCRAVOS NEM EXCLUIDOS”, em que participaram cerca de 200 pessoas.

“Compadecer e enternecer o coração diante da dor do irmão e da irmã”, disse o Monsenhor em sua homilia – “compadecer é enternecer o coração diante daquele/a que tem que exercer a prostituição, diante daquele que tem que fazer um trabalho humilhante porque esta fora do sistema e diante de toda miséria humana”.

Antes de concluir sua pregação, o arcebispo realizou um ultimo pedido, “fazermos o que esteja ao nosso alcance, não olhamos ao outro lado e não sejamos infelizes!”. Logo os representantes de cada organização e movimento social passaram para frente para realizar uma oferenda simbólica: as Irmãs e os laicos da Família Oblata apresentaram ao altar marcas que representavam a dor e sofrimento de tantas mulheres em situação de prostituição e vítimas de tratamento com fins de exploração sexual, para que o Senhor as transforme em ESPERANÇA E LIBERTAÇÃO.


 

Texto: Noelia Ramirez
       Tradução: Adriana Herrera

Voltar 


dezembro 2017
 DSTQQSS
S     12
S3456789
S10111213141516
S17181920212223
S24252627282930
S31      









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069