O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Há 82 anos, as mulheres brasileiras conquistaram o direito ao voto

É perceptível que a mulher vem conquistando espaço nas esferas da política no Brasil.

Em 24 de fevereiro relembramos uma das primeiras conquistas das mulheres no Brasil, o direito ao voto!

Muitos anos já se passaram e ainda lutamos por mais conquistas femininas.

No artigo abaixo, Rosilene Costa, Assistente Social da Unidade Antonia, nos fala sobre os trabalhos realizados com as mulheres atendidas na questão política.

 


Mulher em Situação de Prostituição:

uma cidadã com Direito Político!

Por Rosilene Costa (Unidade Antonia)

 As atividades desenvolvidas nas Unidades da Rede Oblata consideram o contexto vivencial de cada mulher, mas também o recorte da história e conquista do coletivo feminino. Desta forma, utilizamos alguns temas que fazem parte da vida cotidiana, como: saúde, educação, política, moradia, entre outros para debater, refletir e compartilhar com as mulheres e assim motiva-las no desenvolvimento da reflexão crítica que as levem ao empoderamento como cidadã de direitos.

Nesse sentido, este ano de 2014 em que o Direito Político[i] conquistado pelas mulheres (24/02/1932) está na fase da terceira idade, em seus 82 anos com avanços significativos, faz-se necessário uma reflexão sobre seu significado em relação à participação política e nos espaços de controle social[ii]. Vale ressaltar que estamos tratando de uma mulher específica que se encontra em situação de prostituição, além de ser cidadã, mãe, filha, esposa, irmã e algumas são até avós, entre outros papéis que a mesma desempenha no decorrer de sua história.

 É perceptível que a mulher vem conquistando espaço nas esferas da política no Brasil, como: ministérios, secretarias e até mesmo a Presidência da República, nosso exemplo é de Dilma Rousseff, esses lugares (pastas) eram ocupados por homens e eles ainda são a maioria, porém essa configuração lentamente esta mudando.

Destacamos que nosso trabalho é desenvolvido para mulheres que trazem uma determinada postura estigmatizada e discriminada pela sociedade e por si própria, pois a cultura brasileira está arraigada de tradições e da moral machista inerente ao patriarcado e provavelmente das relações sociais (família, trabalho, amigos), onde essas mulheres foram criadas e vivem até hoje.  Imagine no contexto dos direitos, e particularmente no direito político que atribui à participação nos processos de discussão social, além de votar e ser votada.

Lidamos com pessoas que em sua maioria “não sabem que têm direitos”, quanto mais à importância da escolha de alguém que as representem (politicamente) para responder as demandas básicas trazidas por elas. Eis um de nossos desafios – sensibilizar as mulheres para participação política!

Nos encontros com as mulheres em situação de prostituição, seja no acolhimento, roda de conversa, atendimento individual ou em grupo, abordagens a campo e formação para cidadania, aproveitamos a oportunidade para abordar alguns temas e a política está entre eles. Realizamos momentos de reflexão com assuntos do dia-a-dia com a intenção de despertar o interesse pela participação nos espaços de política e controle social, para que elas escolham seus candidatos e assim possam cobrar e fiscalizar as promessas feitas em campanhas em ano eleitoral.

Portanto, temos a incumbência de levar a essas mulheres informações e orientações que possam contribuir para o desenvolvimento e fortalecimento de sua cidadania, as quais estão respaldadas pela Constituição Federal de 1988 tendo como foco central a dignidade da pessoa humana.





[i] Direito ao voto feminino pelo Decreto Lei nº 21.046 de 24 d fevereiro de 1932.

[ii] O controle social é a participação do cidadão na gestão pública, na fiscalização, no monitoramento e no controle das ações da administração pública no acompanhamento das políticas, um importante mecanismo de fortalecimento da cidadania (Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS).

Fonte: Rosilene Costa (Unidade Antonia)

Voltar 


julho 2017
 DSTQQSS
S      1
S2345678
S9101112131415
S16171819202122
S23242526272829
S3031     









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069