O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher é celebrado na Pastoral de BH

A Ir. Evelyn Caroline explicou a origem da celebração data.

O Dia da Não Violência Contra a Mulher foi celebrado nesta quarta-feira, 25/11, na Pastoral da Mulher de Belo Horizonte, Unidade Oblata em Minas Gerais. A data marca o início dos 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres.  Neste período, a Rede Oblata promoverá, nas suas diferentes Unidades no Brasil, atividades com o objetivo de denunciar todas as formas de violência contra a mulher e promover a defesa dos direitos humanos para as mulheres.

 Na abertura do evento a Ir. Evelyn Caroline (OSR) explicou a origem da celebração do 25 de Novembro. Data histórica marcada pela tortura e assassinato das Irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa) que se opuseram à ditadura de Leônidas Trujillo, na República Dominicana. As irmãs eram conhecidas por "Las Mariposas" e lutavam por soluções para os diversos problemas sociais de seu país.

Após os esclarecimentos, sobre os diferentes tipos de violência, e de expor os alarmantes dados estatísticos de violência praticada contra a mulher, todos se sentiram motivadas para continuar lutando em busca de uma sociedade mais igualitária e livre de preconceitos e violência, principalmente no que tange à mulher.

Presente também no encontro, a Psicóloga da Pastoral, Isabel C. Brandão, insistiu na importância de se discutir sobre a igualdade de gênero, e de promover, desde a infância, uma educação neste sentido. “A família e a escola não podem se eximir da responsabilidade de enfrentar todas as formas de discriminação e de preconceito”, comentou Isabel.

 As mulheres que participaram da roda de conversa falaram da necessidade de abrir os olhos da população para os casos de violência que acometem as mulheres todos os dias, e de como o machismo contribui para fortalecer e naturalizar essa violência cotidiana.


Fonte: Pastoral da Mulher de Belo Horizonte

Voltar 


abril 2017
 DSTQQSS
S      1
S2345678
S9101112131415
S16171819202122
S23242526272829
S30      









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069