O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

Espiritualidade, apesar do cárcere

Trabalho das Irmãs Oblatas em conjunto com a Pastoral Carcerária da cidade de São Paulo ajuda presas a cuidar de sua espiritualidade.

Oblatas ajudam as mulheres encarceradas na Penitenciária de São Paulo, capital, a reagirem pró-ativamente ao sofrimento cotidiano, gerado não somente pela pena que estão cumprindo, mas sobretudo pelas más condições das instalações e o convívio com grupos violento e facções que atuam sistematicamente dentro desse presídio.
 
Segundo dados da instituição, as presas supostamente ligadas às facções criminosas pressionam as demais, especialmente as estrangeiras, a seguirem suas regras, impedindo-as de denunciarem a situação à carceragem ou a administração da Penitenciária. De acordo com relatos, essas pressões envolvem agressões físicas, morais e psicológicas. As estrangeiras que cumprem pena no Brasil são as mais atingidas por essa onda de violência. Segundo agentes penitenciários, “as gringas” apanham por não querem se submeter às ordens de quem está ligado às facções. “Elas apanham porque não querem esconder celulares nas celas, nem trazer facas da cozinha para as detentas do crime organizado”, explicou um agente.
 
 
É nesse cenário hostil e violento contra a mulher, que as irmãs Oblatas, em conjunto com a Pastoral Carcerária de São Paulo, estendem sua rede missionária. Segundo Ir. Sirley da Silva, coordenadora da assistência religiosa da Penitenciária Feminina da Capital, tem sido as próprias mulheres que buscam apoio espiritual para enfrentarem o dia-a-dia no presídio feminino.
 
Um exemplo disso, foi a celebração de 11 de outubro que antecipou o dia de Nossa Senhora Aparecida, que pela primeira vez aconteceu dentro do pavilhão.A comunidade que vem sendo alvo de espancamentos e outros tipos de violência reconhece e acolhe a presença de Jesus Eucarístico para alimentar sua fé e revigorar suas forças.
 
Segundo Ir. Sirley, são muitas as histórias de arrependimento por parte de mulheres que querem mudar de vida, porém a simples manifestação desse desejo as coloca numa onda contrária aos interesses do crime organizado, e elas passam a nadar contra a maré. “ O que dá força a essas mulheres é a Palavra de Deus, o amor à Eucaristia e a Devoção à Nossa Senhora”, explica Ir. Sirley.
 
Ainda de acordo com a Irmã, a celebração de Nossa Senhora Aparecida foi um momento forte de resgate e de identificação com a imagem da virgem que assim como as mulheres encarceradas também são expostas aos pedaços, sem que possam desenvolver uma identidade única, inteira. “ Hoje, nesse lugar, as mulheres também podem estar como a imagem de Aparecida, quebradas por dentro, num silêncio agressivo e violento”, completa
 
Para Ir Sirley, um sentido profundo de espiritualidade é fundamental dentro da penitenciária, para que as mulheres que lá se encontram busquem dentro do seu cotidiano, vencer a depressão e a morte , acreditando em si mesmas e mantendo firme a fé em Jesus Redentor. As Oblatas que trabalham com mulheres em situação de prostituição, foram convidadas a trabalhar dentro do presídio, por ali se encontrar também, entre outros desafios, a própria exploração sexual da mulher, muitas vezes em troca da própria sobrevivência.
 
(Fonte dos dados citados: Ag.Estado:14/10/2008)

Voltar 


março 2017
 DSTQQSS
S   1234
S567891011
S12131415161718
S19202122232425
S262728293031 









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069