O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Religiosas de vários países se articulam em rede contra o TSH

Congresso em Roma organiza grupos em todo o mundo para formação de uma Rede Internacional em combate o tráfico de pessoas.

Congressistas batizam de TALITAKUM – A Rede Internacional da Vida Consagrada contra o Tráfico de Pessoas. Após 4 dias de intenso trabalho em Roma, as participantes do II Congresso Internacional contra o Tráfico de Pessoas, ocorrido de 15 a 18 de junho,  alinharam os objetivos dessa rede internacional que deve reunir inicialmente cerca de 17 redes da Vida Religiosa contra o tráfico, nas diversas áreas do mundo, onde cerca de 574 irmãs trabalham em rede, reunindo 36 países até o momento.
 
O II Congresso de Religiosas sobre o Tráfico de Pessoas teve a coordenação da UISG (União Internacional dos Superiores Maiores) e da OIM (Organização Internacional para as Migrações), e o financiamento do governo dos Estados Unidos. O desejo de se construir a "rede" das religiosas para o combate ao tráfico de pessoas foi inserido na Declaração final do I Congresso, ocorrido no ano passado. O papa Bento XVI manifestou-se por telegrama, na abertura do evento (veja img) incentivando e parabenizando os participantes pela iniciativa em favor da vida humana e contra o tráfico de pessoas.
 
 
Entre as atividades propostas, foi avaliado o impacto da Declaração de 2008 no diversos países (veja abaixo), e compartilhado o funcionamento das redes locais, como o objetivo de se configurar a estrutura  da Rede internacional com que se pretende trabalhar a partir de agora. Segundo informação da Oblata do SSmo Redentor, Roseli Consoli, participante do Congresso e integrante da Rede brasileira Um Grito Pela Vida, o grupo optou por uma Rede  de interconexão com as diversas Redes com um grupo facilitador, vinculado à UISG.
 
No final, foi clarificado um pouco mais sobre a estrutura de funcionamento da TALITAKUM – A Rede Internacional da Vida Consagrada contra o Tráfico de Pessoas e construiu-se   algumas perspectivas para os dois primeiros anos :
- Fomentar a criação de novas Redes.
- Sustentar a campanha contra o tráfico  durante a copa mundial da África do Sul (2010) e os Jogos Olímpicos de Inverno em Vancouver (2011).
- Sugerir, através da UNANIMA, para a ONU declarar um dia internacional contra o Tráfico de Pessoas, visto que já é celebrado em muitas nações.
-Elaborar o diretório internacional (com os endereços  das Redes de Religiosas e de outras redes)

Conheça a Declaração feita ao final do I Congresso em 2008, também ocorrido em Roma.
 
CONGRESSO 2008
“Religiosas em Rede contra o Tráfico de Pessoas
 
Organizado pela União Internacional das Superioras Gerais (UISG)
e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).
em Roma de 2 a 6 de Junho
 
Nós, as 47 participantes, membros de 29 congregações religiosas, representantes das diferentes conferências nacionais e das redes nacionais, regionais e internacionais existentes contra o tráfico de mulheres e crianças em mais de 30 países, nos reunimos para compartilhar experiências, discutir, refletir e rezar sobre nossa missão contra o tráfico de pessoas.
Denunciamos o Tráfico de pessoas e
declaramos que constitui um crime contra a dignidade humana
é uma grave violação dos Direitos Humanos.
 
Como religiosas, em solidariedade com nossas irmãs e irmãos que sofrem as conseqüências deste mal não podemos ficar calados.
 
Condenamos fortemente este crime. Dirigimo-nos, sobretudo, aos Governos dos Países de origem, de trânsito e de destino onde as pessoas são comercializadas e convertidas em objetos desta moderna forma de escravidão.  
 
Fazemos apelo aos Governos para que assumam sua responsabilidade não somente criando leis que condenem o tráfico e os traficantes, mas sobretudo aplicá-las em todos os níveis tornando efetiva a defesa   e a proteção das vítimas e destinando os recursos necessários para combater este crime. É sua responsabilidade ativar redes nacionais e internacionais capazes de combater eficazmente este mal e eliminar as causas estruturais que geram o tráfico de pessoas.
 
Convocamos as Conferências Episcopais, Conferências nacionais dos Religiosos e Religiosas as comunidades católicas e não católicas, a tomar posição e empenhar-se com renovada energia na defesa dos direitos humanos desses irmãos e irmãs nossos e a denunciar toda forma de tráfico.
 
COMPROMETEMO-NOS a
  • trabalhar em rede entre nós e com outros organismos sociais, religiosos e políticos,
  • articular forças e iniciativas,
  • otimizar recursos para a prevenção, assistência/proteção, sensibilização e denúncia do tráfico de seres humanos
  • seguir desenvolvendo programas educativos que sensibilizem as pessoas sobre este fenômeno e denunciem o tráfico de pessoas
 
Sabemos que só trabalhando em cooperação e solidariedade seremos capazes de enfrentar as causas estruturais que produzem o tráfico.
Esta missão impõe-se como uma exigência místico-profética de nossa vocação cristã que requer uma conversão contínua e uma mudança de mentalidade.
 
Renovamos este compromisso de promover a dignidade de cada pessoa, tornando vida a Palavra de Jesus de Nazaré: “
 
Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundancia
(Jo, 10,10).
 

Voltar 


agosto 2017
 DSTQQSS
S  12345
S6789101112
S13141516171819
S20212223242526
S2728293031  









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069