O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O feminicídio bateu à sua porta

Estamos de luto, mas continuaremos lutando.

Nesta última quarta-feira, 11 de janeiro, mais uma mulher em Juazeiro tem sua vida interrompida brutalmente pelas mãos de um ex-companheiro, conforme registrou o Blog do Geraldo José. 
O crime aconteceu no Bairro Piranga, na residência da vítima, e o acusado, que golpeou com facadas a ex mulher, fugiu do local, tendo sido pego pela polícia pouco tempo depois.
O Feminicídio, conceito que surgiu e entrou em vigor como lei (Lei nº 13.104/2015) no ano de 2015, se configura como o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. De acordo com o Decreto-Lei nº 2.848/1940 que alterou o Código Penal para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, também passou a incluí-lo no rol dos crimes hediondos.
O assassinato de mulheres geralmente é motivado por sentimentos de ódio, desprezo ou perda do controle e da propriedade sobre as mulheres. Como já citamos anteriormente nesse blog, a violência contra a mulhertem raízes fincadas na desigualdade construída historicamente nas relações de gênero. Mulheres são vítimas cotidianamente de uma sociedade que insiste em segregar papéis, pregando a submissão e inferiorizarão do sexo feminino e alimentando a cultura do desrespeito e do abuso.
A luta pela igualdade de gênero e pelo fim da violência contra a mulher é uma das bandeiras da Pastoral da Mulher de Juazeiro.
Nós que compomos a equipe, nos sensibilizamos e entristecemos com cada caso de violação de direito e morte de mulheres, mas ainda acreditamos que é possível implantar uma cultura de paz. Estamos de luto, mas continuaremos lutando.
Fonte: Pastoral da Mulher 

Endereço do Blog:

Fonte: Pastoral da Mulher de Juazeiro

Voltar 


setembro 2017
 DSTQQSS
S     12
S3456789
S10111213141516
S17181920212223
S24252627282930









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069