O que fazemos
Belo Horizonte/MG
Salvador/BA
Juazeiro/BA
Sto Amaro-São Paulo/SP
Centro Vocacional Oblata
Acompanhamento Vocacional
Depoimentos
Divulgação
Países
Sobre Padre Serra
Abertura do Bicentenário
No Brasil
Artigos
Pesquisas
VII Encontro -2009
VIII Encontro - 2010
IX Encontro - 2011
Tráfico de Pesssoas
Encontro da Rede
Unidades Oblatas
Capítulo Provincial
Seminário
Comunicação
Encontro da Rede Oblata
Projetos Mundo
Projetos Brasil
Diga NÃO à violência contra Mulher
Capacitação
Outros
Comunidades
Comemorações
Cirandas Parceiras
Projetos Oblatas
Compartilhai
Jornal da Rede Pastoral Oblata
Pastoral da Mulher de Belo Horizonte - MG
Pastoral da Mulher de Juazeiro - BA
Economia Solidária
Tráfico de Seres Humanos
Prostituição
Violência Contra a Mulher
Jornal da Rede
Comunidade
Celebrações
Cursos
Oficinas
Sensibilização
Igreja do Brasil
Cidadania
Direitos Humanos
Gênero
Projetos Pastorais
Cultura
Igualdade

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Jornada Pedagógica no Projeto Força Feminina

Reflexão e Formação Continuada sobre a Missão Oblata

De 23 a 26 de janeiro de 2017, ocorreu na sede do Projeto Força Feminina a Jornada Pedagógica na qual os profissionais da Unidade partilharam ideias, ensinaram e aprenderam na coletividade, com o propósito de promover o fortalecimento do processo educativo e missão junto às mulheres. Para desenvolver este processo foi feita a análise e reflexão de temas relevantes ao trabalho desenvolvido direto com as mulheres em situação de prostituição, mas também a importância do trabalho em equipe. No primeiro dia, pela manhã, Alessandra Gomes refletiu acerca dos desafios gerais e específicos para desenvolver e aperfeiçoar o trabalho com as mulheres em situação de prostituição.


No período da tarde tivemos a contribuição significativa dos professores da Escola de Enfermagem da UFBA: José Lúcio Ramos e George Amaral, facilitando o tema “Saúde mental no trabalho”. Este momento foi um alerta à equipe de intervenção que necessitamos fazer individualmente para a prevenção de doenças. Reflexões:

• A importância de se trabalhar em equipe, compartilhando ideias, saberes, decisões;
• O cuidado pessoal: criar espaços de proteção fora do ambiente profissional;
• Autoconhecimento;
• O trabalho produz identidade;
• Quem trabalha com o sofrimento tem mais chance de adoecer;
• Respeitar/conhecer a sua história de vida profissional e pessoal e da mulher;
• Se as mulheres vêm neste espaço é porque precisam de apoio;
• Modelo de gestão participativo;
• O poder precisa ser negociado nas relações;
• O que estou fazendo para a promoção da saúde mental?


No dia 24, Júlia Damiana Nascimento - assistente social e especialista em Dependência Química e Terapeuta de Família, funcionária do Centro para Tratamento de Dependência Química Vila Serena - trouxe algumas informações e estratégias importantes para a equipe atualizar seus conhecimentos e práticas no atendimento às mulheres que buscam a instituição e que, muitas vezes, usam psicotrópicos. No turno vespertino, as educadoras sociais do Centro de Convivência Irmã Dulce dos Pobres/Redução de Danos, Fernanda Aragão (enfermeira especialista em saúde mental) e Silmara Cecília, de maneira lúdica, desenvolveram o tema “Uso de substâncias psicoativas e pessoas vulneráveis”.


No dia 25, a Prof. Drª Maise Zucco, por meio de uma dinâmica fez um recorte da importância de se valorizar e perceber as diferentes identidades que carregamos em diversos ambientes, sejam elas profissional, pessoal ou social. Demonstrando que cada pessoa carrega muito mais do que aquilo que é visto, tem mais de um aspecto que as caracterizam e todos eles precisam ser respeitados.Ficou muito forte em sua fala o respeito que se deve ter em relação à historicidade do sujeito dentro do tempo e espaço ocupado por ele na atualidade. Alguns temas foram dialogados com a equipe:

• Gênero;
• Relações étnico-raciais;
• Sexualidade;
• Classe;
• Geração;
• Deficiência. Foram apresentadas também as discussões sobre:
• Brinquedos específicos para meninos e meninas;
• O combate aos estudos de gênero nas escolas;
• A escola sem partido;
• As nomenclaturas atuais: transgênero (transexual e travesti) e cisgênero.


No dia 26, no fechamento da jornada, com a ajuda das irmãs Maria do Rosário Silva e Maria Beatriz Paixão, refletimos sobre a Missão Oblata. Na primeira parte, abordou-se a sua origem por meio da inquietação do Pe. Serra (fundador) ao ter contato com a triste situação das mulheres no Hospital São João de Deus, além da implicação progressiva de Antonia Maria (fundadora) nessa realidade em 1864, até a fundação da Congregação em 1870. A exposição foi enriquecida com o diálogo entre toda a equipe. Na segunda parte, refletimos sobre os modos históricos de intervenção da missão desde os primeiros anos de fundação e dos que se seguiram depois que foram sendo aprofundados e que hoje, sob o dinamismo do Espírito que nos desafia na realidade, segue renovando e atualizando a mesma Missão.


Momentos como esses são importantes para a realização de um trabalho grandioso com as mulheres.

Fonte: Projeto Oblata Força Feminina

Voltar 


setembro 2017
 DSTQQSS
S     12
S3456789
S10111213141516
S17181920212223
S24252627282930









 

Busca:
 

Na sua opinião, por que as mulheres estão curtindo sexo anal?

 
 

 


Home . Apresentação . Histórico . Mística . Missão . Cadastre-se . Localização . Links . Trabalhe Conosco . Contato
Copyright 2006 – Instituto das Irmãs Oblatas do SSmo Redentor - Todos os Direitos Reservados
fale conosco: info@oblatas.org.br Tel: 11 2673-9069